Header Ads

Image and video hosting by TinyPic

News

“INJUSTIÇADO” PASSA POR CHAVANTES E PEREGRINA COM UMA CRUZ PELAS ESTRADAS DO PAIS ATÉ PROVAR SUA INOCÊNCIA DIANTE DA LEI.

Após 16 anos de cadeia homem diz ser inocente e peregrina pelas estradas do país carregando uma cruz em busca de justiça.

Uma cena inusitada chamou a atenção de motoristas que passavam pela Rodovia Raposo Tavares na tarde desta quinta-feira 01/09/2016, um homem carregava sobre os ombros, uma cruz de madeira com 4 m de altura e 40 kg. Com passos rápidos, ele seguia sentido Ipaussu/Chavantes chegando ao trevo de Chavantes o mesmo despertou certa curiosidade em algumas pessoas que ali estavam. Ao ser convidado para uma conversa ele contou o motivo de tal esforço…

O pedreiro Paulo Cícero de Lima, de 55 anos, alega que ficou preso durante 16 anos por um crime que nunca cometeu, dizendo ter sido injustiçado e tenta provar a sua inocência mesmo após obter a “liberdade”, ele decidiu viajar caminhando de São Paulo a Goiás a pé com uma cruz de 40 kg em seus ombros.

Segundo ele, o ato é uma forma de chamar atenção da Justiça para reaver o seu caso, o trajeto de aproximadamente 1,2 mil km começou na cidade de São Paulo, passou por Brasília e em Trindade, na região metropolitana de Goiânia, ao todo foram mais de 30 dias na estrada. Atualmente desempregado, ele conta como teve a ideia para a viagem.

—Eu sonhei que estava carregando uma cruz por um caminho e no final, eu “tive acesso ao paraíso”, por isso resolvi arrumar essa cruz e ir do Tribunal de Justiça de São Paulo até o Tribunal de Justiça de Brasilia, onde pretendo reativar o processo que me levou para a cadeia por 16 anos, 2 meses e 10 dias, injustamente, assim afirmou Paulo. Duas semanas após o sonho o homem conseguiu a cruz e saiu para cumprir a sua promessa, sem nenhum centavo no bolso.

“CRIME”

Informou que em 1993, quando estava passando por um período difícil, sem emprego, passou a morar nas ruas de Atibaia/SP após uma briga com a sua sogra, num ato de desespero pela sobrevivência, furtava algumas galinhas para saciar a sua fome.

— Eu confesso que sempre pegava algumas galinhas e tinha uma faca para depena-las e limpa-las, eu dei o azar de passar em um local onde havia acabado de acontecer um crime de latrocínio, justamente após limpar uma galinha com faca que carregava junto aos meus pertences.

Segundo o pedreiro, um policial o prendeu acreditando que ele era o autor do crime, devido o mesmo estar em posse da faca com alguns vestígios de sangue da galinha que havia matado momentos antes, mesmo negando a autoria do crime, as suas explicações não foram aceitas.

O caso foi julgado e Paulo Cícero foi condenado a 21 anos de prisão, após ser acusado de latrocínio, que é roubo seguido de morte, o mesmo passou por mais de quatorze presídios desde então.

— Não fiz aquilo, eu estava passando pelo local e a polícia me pegou inocentemente, só porque estava com a faca e a roupa suja de sangue de uma galinha que havia acabado de matar, não quiseram me ouvir em hipótese alguma, afirma Paulo.

Paulo foi acusado de matar uma jovem de 21 anos na frente do filho dela de quatro anos de idade, para roubar um pé-de-cabra e um martelo e ao passar de fronte a uma construção foi apontado como autor do crime apenas por estar no “local errado e na hora errada”.

Após sair da cadeia em 2009 onde passou 16 anos, ele voltou ao local do crime e procurou o esposo da vítima para tentar provar sua inocência.

— Conversei com ele várias vezes e descobri que não foi ele que me acusou do referido crime.

Por muito tempo foi atrás de pessoas que pudessem confirmar que ele não era o autor do crime e também não se conforma com a condenação por algo que não fez.

Paulo Cícero carrega a cruz num ato de fé, para tentar provar a sua inocência no caso de latrocínio, ele disse que vai continuar a peregrinação até Justiça decidir ouvi-lo e reabrir o processo, para que ele coloque a verdade sobre o caso perante a Lei.

Paulo Cícero afirma ter todas as provas necessárias em sua defesa e diz “vou tirar essa mancha da minha vida” e viver dignamente como era antes, finaliza a entrevista e segue o seu destino.












 

   Fonte: Chavantes Notícias